terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Logo ali .

 
 Eu vivi mais do que me foi permitido por ano. Eu completava anos e mais anos
, a cada ano. É só que sempre decidi a expansão do meu próprio tempo, do meu próprio eu . Eu sempre amei não amar. Eu sempre decidi não haver infinito.
 Brinquei de ser mais de um. Brinquei de querer cuidar de cada um. Brinquei de me doar a cada um. Brinquei de esquecer de mim. 
 E hoje? Hoje quando me procuro, é como se nunca tivesse existido. Procuro meus pedaços em meio à histórias passadas, páginas forradas de pó de lágrimas. Mas não há ninguém pra me devolver um pouco de mim. E o passado se recusa à minha súplica de me deixar voltar. Se o tempo a mim pertence , por que não me obedece? Só preciso de um sorriso esquecido, ou até de alguma receita. Eu deixei esquecido como faz pra amar. 
 E dentre tantas brincadeiras, esqueci que eu sou humana, e precisava de amor. Mas meu sangue sempre renegou a temperatura. Meu coração se desapegou ao movimento. Minha pele se tonalizou em azul. Eu me acostumei em olhar pros meus amigos e não enxergar humanos. 
 No meio de um sonho dentre as plumas da chuva, eu me senti levada por demônios até um infinito , e a viagem não acabava, apenas piorava, e quanto mais eu queria chão , mais eu estava longe. Eu só me queria de volta . 
 E como uma súplica, uma lágrima saltou dos meus olhos, enquanto tomei conta para secá-la de repente, percebi um anjo em meio a tantos demônios. Mas os anjos também são demônios, demônios com intenções diferentes. E eu enxerguei um sorriso e um olhar de luz em meio a tantas cinzas . 
 Ele me puxou, e me deixou cair. Eu estendi os braços, aceitando. Senti meu corpo se curvar no ar. Dor. Senti meus olhos se selarem em lágrimas. 
E quando os abri novamente, me vi esticada, num chão azul borrado em vermelho vivo, molhado. Haviam pessoas em volta. Iluminavam meu corpo com faróis, dos carros agora parados. Avistando aquela pessoa, que ninguém sequer conhecia. Que ninguém sequer conheceu. Que não conheceriam . Eles me olhavam com pena, pena de tanta pouca idade. Pena de como se deu todo o ocorrido. Pena. Pena , sentiam pena, com os olhos secos. E os olhos refletem a alma. 
 Eu me olhei com os olhos encharcados . Eu não senti pena , eu senti amor. Amor por mim, depois de tanto e tanto tempo, eu me amei, e amei cada pessoa que eu fui. E entendi que não precisei dos pedaços levados , eu me reinventei a cada dia pra supri-los.  Eu superei o tempo que eu apaguei da lembrança, com outra dimensão. Eu estendi a minha vida, pra mim mesma. 
 Eu nunca acreditei num infinito, mas, se subir bem lá em cima, se for capaz de se sentir novamente, e depois não mais. Se for capaz de voar com demônios e ser salva por um anjo. Se for capaz de se permitir acreditar ... Se aceitar o amor, se for assim,  o infinito pode ser logo ali. 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Uma nova estrela no céu .




  Eu sei que tem vezes que o Sol brilha mais forte do que você é capaz de perceber, sei também que sua estrela preferida , às vezes se esconde por detrás das nuvens, com vergonha das suas lágrimas, porque ela não pode te ajudar. Eu sei que dói pra respirar, e imagino que doa a pertinência em se manter vivo. Eu sei que a dor auto supera-se, e os remédios possíveis para torná-la branda, cada vez mais, se camufla de água, e age como tal. Eu sei que a vida não está fácil, e que você foi um dos escolhidos pela linha do destino, vamos por toda a sua vida à prova de sua fé. E eu só te peço que tenha fé, que lute, que lute por todos aqueles que te amam, e que não imaginam uma vida sem você. Lute por todas as manhãs que ainda precisam fazer parte da sua vida. Lute pela estrela que não quer mais viver atrás das nuvens todas as noites. 
 Lute pelo seu sorriso, porque eu te amo, eu e cada pedaço de mim, junto com cada um que te conhece, porque mais do que um amigo, você é uma pessoa espetacular, única, e o mundo sem você derramaria tantas lágrimas, que não haveriam mais estrelas no céu. 
 Só me desculpe por não demonstrar tudo o que sinto a respeito, todas as vezes que te abracei e que tive a oportunidade de dizer. É só que minha garganta se fecha em nó, e não permite que saia sequer uma palavra. A respiração foge do meu controle, e eu só consigo conter as lágrimas. Eu sei que não vou estar aí com você , não fisicamente, mas estou aqui, torcendo por você, eu e cada um que te conhece, e eu estou torcendo porque sei que você é capaz. Meu amigo, se eu pudesse te dar um presente, se eu pudesse colocar nas suas mãos alguma coisa nessa hora , eu te daria força, porque todo o amor do mundo, você já possui em seu coração.  "
Infelizmente , não enviei pra quem deveria no momento certo. Foi muita luta campeão, ninguém imaginava que vocé nao iria vencer essa. É triste perder um amigo pra sempre . A morte sangra lágrimas quando vem tão cedo ,e ninguém está preparado pra ela . O céu ganhou mais uma estrela essa noite e os anjos estão derramando lágrimas nesse momento , junto com cada pessoa que te conheceu. 
Sentiremos sua falta Luis. 


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Um espetáculo no fim do mundo.



Eu busquei a vida de maneira errada , por toda a vida. Eu segui caminhos que não eram pra serem meus. Eu perdi tudo muito cedo, eu me acostumei com a lua me pondo pra dormir. Cada um segue o que define pra si o que é certo. Eu não defini nada, não, quis viver como se nunca tivesse um fim, como se pudesse andar até o fim do mundo, e como o mundo tivesse esse fim, para que eu pudesse terminar a vida, ter meu fim ali. Mas como poderia imaginar, que minha própria falta de mim, poderia fazer com que eu acreditasse nesse fim, e ainda mais, buscá-lo.

 Eu sentia o frio das estrelas banhando meu sangue, a cada noite, cada despertar da lua eu me sentia fria, me sentia outra, me sentia não-humana. Mas eu era humana, havia sangue, havia, havia eu. Mas havia eu, esse era e sempre foi o problema, sempre houve esse "eu", se perdendo e se descobrindo, se inventando e redescobrindo quem é, dentro de mim. Eu nunca quis sonhar que estava no fim do mundo, no fim da vida.
 A parte do dia, grande parte, eu me forçava a descansar, deitar e repousar os olhos. Eu não dormia, eu ensaiava para morrer. E o frio permitia que tudo fosse sempre mais fácil, como se pudesse estar cada vez a um passo do fim do mundo.
 Eu quis paz, eu chorava pedindo silêncio a cada pensamento estúpido de sangrar. Mas só que sonhar sangrava, e eu me manti viva com sonhos.
 E minha corda que me ligava à vida, se tornava cada vez mais fina. 
 Minha alma, não suportava a mente sozinha. Pobre vida, tentar não romper o fio.
 Eu tentei me apoiar no resto de luz que refletia no meu rosto. Mas não consegui nem abrir os olhos para vê-lo. 
Achei que poderia abrí-lo novamente, e enxergar alguém, qualquer um em que pudesse me apoiar, nem que fosse uma mulher qualquer, com um vestido preto. 

Finalmente, me senti caindo, caindo como se o chão não estivesse em lugar algum, me senti , eu ?  
Eu acordei num campo com flores, acordei e o sol podia tocar minha pele . Eu senti meu sangue quente pelas minhas veias, me senti humana, eu senti um coração batendo e uma enorme vontade de me amar. Eu senti vida. E ela me sentiu. 
 Engraçado como talvez eu tenha achado o fim do mundo, e como achava que seria, neste fim do mundo,  minha alma falou mais alto que tudo, e eis me aqui. 
 Hoje eu sorri. 
 E o mais curioso, é que encontrei sim uma mulher, mas ela estava de branco, e me ensinou a chamá-la de mãe. Tínhamos uma casa, e eu não precisaria sentir o frio das ruas novamente. 
 Hoje, hoje quando finalmente todos os meus ensaios valeram a pena, quando finalmente o espetáculo foi concluído, hoje eu vivi, como nunca vivi em toda minha existência.





segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Não gostei: salon opus argan máscara




Mais um post sobre " não gostei " haha. Ouvi muita gente dizendo que gostou desse creme, em vários comentários no facebook e em blogues que acompanho . Quando comprei confesso que nunca tinha ouvido falar , mas eu tava numa loja de produtinhos pro cabelo , e queria muito uma máscara pro cabelo que fosse boa de verdade. Mas na pressa acabei levando qualquer uma mesmo , e escolhi essa porque tinha óleo de argan e tal tal tal ( sacomé né!?) . Então , levei pra casa por umas 20 Dilmas esse creme que pelo rótulo é capaz de persuadir e falar que vale a pena comprar essa delicia em pote pros fios. 
A consistência é bem boa ( " bem boa " é sacanagem kkk) , ela é bem consistente , durinha sabe? Então ! Com aquela cara de " me usa que eu vo render!" Meti a mão e passei no cabelo ne , bem direitinho ... 
 Comecei a passar e pronto ! QUE CHEIRO HORRÍVEL !!!!! Confesso que tentei deixar 3 minutos , mas não deu , já comecei a ter dor de cabeça e quase enjoo . Pelo tempo que "agiu" , não senti que meu cabelo ficou pior, nem melhor, deu na mesma , fora o cheiro que ficou terrível ! Confesso que sou super enjoada  com perfume , e tem que ser , afinal ninguém merece passar uma coisa no cabelo ou na pele cujo perfume vai te fazer passar mal ou não se sentir bem não é mesmo !? 
 Me arrependi tipo muito , de não ter dado uma cheiradinha no produto antes de levar , e acho que é assim que se aprende não é?! 
 Bem meninas, é isso , não gostei do produto por causa do aroma. E vocês , já compraram algum produto que fez o nariz coçar? Ou já usaram essa máscara? Comente e fique sempre por aqui ! 
 Beijao .
P.S , não tava com a máquina, fotos foram pelo Iphone 5 mesmo, e a qualidade não é a mesma né ? Rs

Decorando uma caixa com esmalte e revista velha !



 Oi oi oi tudo bem? Achei uma caixinha velha, com uma estampa batida já, mas que eu gosto muito porque minha sobrinha me deu essa caixinha, já tem um bom tempo . Enfim ! Inicialmente , eu queria pintar ela toda de rosa fluorescente , com um esmalte vencido da época que virou febre esmalte fluorescente ( confesso que usei só uma vez ! ) 
 Se não me engano ele custou 1 real , e o da risque ( fosco) custou uns 2 reais ( também vencido e por ser fosco, quase não uso/ usei) .  
Pra arrematar decidi usar uma porpurina , também jogada , pra fazer uma parte com porpurina. Depois que acabei , não gostei do resultado e decidi fazer mais ! Adoro amo demais demais, cortar revista ! Até as que eu saí na matéria , tanto atrevida quanto capricho , já estão com cortes ( sem afetar as páginas que eu estou , claro kkkk ) porque acho fofo juntar com colagem e tudo o mais. E o que eu fiz : peguei um esmalte renda vencido também , pra reutilizar ( e também nao tinha cola aqui em casa ! ) , tesoura e umas revistas antigas . 
Depois é escolher as figuras , cortar , colar com esmalte e depois passar uma camada de esmalte renda por cima! 



 Obs: se tiver cola, melhor usá-la! E quando terminar , misture água e cola e pincele por cima . 
 Se tiver revista em quadrinhos , ou jornal, dá pra fazer tanto na capa da caixa quanto na caixa inteira !
 E ai , gostaram ? Comente o que acharam ! Um beijo !!