terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Foi como manter as estrelas brilhando ao dia.


-Tá vendo todas aquelas estrelas?
 -Aham, o que tem elas?!
 -Pra mim elas sempre foram anjos, sabe, eles ficam o dia todo fazendo nossos planos, tomando conta da nossa existência, então a noite, eles ficam bem de longe, apenas no céu deles, onde eles escolheram morar. Ficam lá, pra ver todo mundo bem aqui.
 Ele sorriu torto pra loucura que saia dos lábios rosados daquela menina.
 -O que foi?! Acha que é besteira minha? Ou você apenas não acredita em anjos rapaz?!
 Indagou ela a ele, confusa, mas ainda assim com toda a sua coragem.
 Ele riu, mas preferiu responder:
 - Ora, se eu acredito em anjos mocinha?
 - Ele deu uma pausa, encarou seus olhos como se nunca mais fosse parar de olhá-los, e então a beijou selando seus lábios para finalmente continuar: Sim, acredito, como não acreditar? Só não concordo que as estrelas possam ser anjos, anjos são anjos, estrelas são estrelas, não se pode fundir os dois. Como seus olhos pra mim são estrelas, e você na minha vida é um anjo, cuidando da minha existência. Como não acreditar em um anjo? Se eis aqui - Ele estendeu os braços em reverência, enquanto se levantava - na minha frente o mais lindo anjo de toda a Terra, céu e Universo!- Agora se ajoelhou, pôs uma mão pra trás enquanto a outra se erguia no mesmo ritmo para segurar a mão daquela moça ingênua.
  Agora os dois estavam de pé , ele levou a mão dela que havia segurado até a boca, beijou-a, e logo em seguida perguntou: "Será que anjos, por mais puros que sejam, podem dançar?" Ela respondeu que sim com um sorriso.
 Com uma mão no ombro do rapaz, e a outra entrelaçada com a dele, a moça deitou a cabeça em seu ombro e os dois dançaram sob a luz da lua. E que lua ! Longe de ser um queijo, naquela noite a lua imitava a vida, trazia luz à todo aquele breu banhado de anjos. Trazia luz ao casal que dançava descalço na praia, chutando areia ao ouvir as ondas. Riam só de estar perto, coração com coração. E as almas quase se tocavam enquanto eles respiravam ao som do mar.
 - Sabe, só pra quebrar o silêncio, eu queria dizer que, eu gosto muito de você.
 Os dois riram, ela mais, se sentindo boba por ter falado do nada.
 - Isso é um "eu te amo"?
 - Um quase-eu-te-amo, tudo bem?
 - Só fico feliz com um inteiro-eu-te-amo.
 - Mas, anjos não podem amar meu bem.
 - E se você fosse humana só por uma noite, só uma noitizinha?
 - Não existe essas coisas de "uma noitizinha" meu bem, não tem como fugir do destino.
 - Mas tem como mudá-lo meu anjo.
 Ele a deitou em seus braços, quase deixando-a cair, e ainda assim mantendo-a firme. Os olhos se encontraram, e as almas se encontraram também. Foi como manter as estrelas brilhando ao dia. O mar parecia ter parado de dançar, não havia mais som, não havia mais mundo, apenas eles, e aquele momento.
Nem uma foto seria capaz de registrar quão belo é ver a vida se refazer num olhar, pausar a natureza e ainda permitir amar. Nem o mais lindo dos livros, mais romântico e meloso, seria capaz de descrever o amor de um olhar. Porque as melhores coisas, não duram pra sempre, e nem são feitas pra durar. As melhores coisas, são os momentos, e ai de mim se pudesse reviver cada momento, ai do tempo se tivesse botão de voltar, ai de algum sentimento se repetisse o que sentimos a cada momento.
 A vida não é pra ser repetida. Lembrada? Claro! Mas precisamos de momentos, precisamos. Precisamos de momentos novos,e uns melhores que os outros se possível.

Nenhum comentário: