sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Se anjos existem, eu conheci um anjo.



 A lua não estava cheia e as estrelas enfeitavam e dançavam no céu escuro e profundo, enquanto sentiam um coração vazio a pairar sobre a Terra...
 - Por que é difícil pra todo mundo ficar apenas perto de mim, um segundo? Por que tem que todo mundo ir embora? Por que muitos chegam, mas poucos permanecem ? A culpa é dos meus olhos por não brilharem como deveriam? Ou será desse meu cabelo mal cortado? Ou pode até ser do jeito estranho com que eu riu, e depois tento disfarçar, mas apenas queria que as pessoas ficassem, e que entendessem que quando eu não sou legal com elas, é pra elas se aproximarem e não irem .
 Entre lágrimas, um cabelo despenteado, uns arranhões nos braços pela dor que sentia dentro de si mesma, ela olhava em um espelho e dizia essas palavras para si mesma, se questionava e tentava entrar em um acordo qualquer com sua alma, para não se sentir culpada de ser tão sozinha.
 Com o costume de ouvir músicas e tentar achar um ombro amigo que ninguém lhe dava ela apertou o play e colocou o fone nos ouvidos. Entre uma ou outra vinham lágrimas como carga, e ela admirava o aperto que sentia no peito a cada nota daquela música, a cada palavra que descrevia o que ela sentia, era uma lágrima que escorria pela seu rosto vermelho de dor.
 A solidão se torna mais intensa quando vem de dentro, e era isso que se passava por aquela garota quando ela ouviu uma voz, uma voz que veio de onde havia dor, de onde vinha toda aquela tristeza, a voz que a fazia chorar e pensar no que não queria... E pela primeira vez, ela não se contorceu, não se arranhou, apenas ouviu.
- Oi querida, sei que não tá fácil aí , mas pra mim também não está nada fácil essa sua indecisão sobre tudo, essas suas lágrimas atoa, essas músicas a todo momento que só te fazem chorar e se sentir mal, ponha a mão em mim, eu não bato mais como antigamente, eu já estou velho de emoções, é saudade, ódio, arrependimento, solidão, raiva, angústia, e nada de amor, nada. Não quero te cobrar, mas apenas uma vez, seja feliz, me faça feliz, ou eu não vou aguentar, ou eu posso parar de bater, e a culpa não será minha, não poderão dizer que você parou de respirar por minha culpa, se é você quem não sente amor, se é você que só põe ódio dentro de mim, e me fecha, me abafa numa cápsula incontrolável e escura. Eu mal posso respirar aqui dentro, quanto mais bater. Mas é meu pouco amor que resta por você que me mantém vivo e feliz, pense nisso, alguma parte, dentro de você te ama e é feliz, não se sente bem por isso querida? Ora, se as pessoas não te dão o valor que você merece, é apenas porque elas não valem esse valor todo que você atribui a elas. E amigos a gente faz e desfaz, apenas não se apegue a eles, mas se apegue a mim, porque eu te amo mais que você mesma. Eu realmente quero seu bem, quero você feliz, sem cortes, sem dor, sem tristeza. Quero que liberte a mim e a você dessa escuridão presente em nossas vidas. Se não for por você, seja feliz por mim, seu coração, que tanto dói, que está apertado, que se cansou de dar nós na garganta para mandar algum sinal, e tive que chegar a esse extremo pra você me ouvir. Eu te amo, não destrua nós dois.
 Ela pausou a música, meio incrédula, aquilo aconteceu ou só sua imaginação fértil? Será que agora estava virando esquizofrênica ou algo do tipo? Conversas com seu próprio coração são bonitas em frases, mas não daquele jeito.
 E bem que ele tinha razão, se ela era descartável para alguns, por qual motivo eles também não poderiam ser para ela? Um pensamento bonito, mas nada fazia com que suas lágrimas cessassem, era como se uma cachoeira tivesse brotado em seus olhos, e agora nada importava mais, ela tinha a si mesma, e alguém que a amava ali dentro, não precisava de mundo exterior quando tinha tudo o que precisava dentro de si, ela seria feliz, consigo mesma, prometeu isso a si mesma, juntando um dedinho com o outro.
 Ela pegou um objeto pontiagudo, como uma agulha, mas bem maior, do tamanho de um cotonete e meio, fitou-o enquanto pegava uma blusa e a colocava entre os dentes.
 Com a agulha na mão e a blusa nos dentes, a pobre menina enfiou a agulha no ouvido, rodando-a, empurrando-a e voltando com ela para fora de novo, tudo isso enquanto sentia algum sintoma de bruxismo mordendo até doer, a blusa entre os dentes. Sangue escorria por uma orelha, escorria sem cessar, e a dor era imensa quando ela já estava prestes a perfurar o outro ouvido, pra se ver livre de todos os "eu te amo" cheios de mentiras, as promessas de amizade verdadeira que não duravam seis meses, as conversas vazias e cheias de segundas intenções, e tudo aquilo que se esconde em uma frase bem dita.
 Então ela parou, com as mãos ensanguentadas pegou o celular e havia uma mensagem, uma mensagem daquele falso amigo, que havia prometido amizade verdadeira e pra sempre, como todos fazem, e então depois foi embora e disse adeus. Uma mensagem do tipo, " como vai a vida?" , e ela apenas pensa, se ia perguntar depois, se ia se importar, por que saiu dela desse jeito? Por que apenas me abandonou e depois volta como se nada tivesse acontecido?
 Numa ira, ela joga o celular pela janela, põe as mãos na boca, e chora em soluços dolorosos em conjunto com seu ouvido surdo. Agora ela já não ouvia direito, ou terminava o serviço, ou ficava sendo uma idiota meio-surda. "Foda-se" ela disse, e a dor parecia ser seu prazer enquanto ela tornava a martelar o ouvido com aquele objeto, como se o limpasse, enquanto banhava tudo ao redor de sangue...
 "Só soube, porque ela deixou a webcam ligada, e um amigo de internet gravou. Ela achou que conversava com o coração, mas repetia a voz para si mesma, eu não achava que ela tivesse problema algum, eu só achei que era mais uma crise de adolescente. Vocês não sabem a dor de chegar em casa, e ver sua filha deitada na cama com dois ouvidos ensanguentados, e só saber que ela nunca mais vai vir correndo perto de você e dizer "Oi pai, eu amo você" .... "
 "Eu sempre achei que havia algo de estranho ,mas nunca toquei no assunto, porque ela era sempre tão feliz, e sempre quando perguntava se ela estava bem, era um sim que eu recebia, eu não fazia ideia de que poderia estar ocorrendo algo assim, se eu soubesse eu apenas ficaria por perto e não me afastaria, nunca teria dito adeus, se eu soubesse que seria um adeus de verdade, que nunca mais poderia ver ela sorrindo e me fazendo rir com suas piadas, com seus pensamentos sobre a vida, com seu jeito que me fez amá-la tanto.  Ela dava muito valor às pessoas, tratava cada uma de maneira especial e única, mas esse era o jeito dela, e ninguém era perfeito como ela pra poder fazer o mesmo, ninguém no mundo será sensível o bastante pra me dizer se em um dia chuvoso, é apenas chuva ou um anjo chorando, se uma estrela nova no céu, é apenas mais uma, ou alguém novo se juntando às outras. Só ela era capaz de decifrar um sorriso, um olhar, um gesto, e pra sempre será só ela...
 Essa noite vi uma estrela nova no céu, não sei se eu, cético como sou ,deveria crer nessas coisas, mas , quando olho pra aquela estrela, sinto você me olhando, e sinto toda a sua energia perto de mim de novo. Se anjos existem, eu conheci um anjo."

 28 de Dezembro de 2012.
 Pai e amigo relatam o suicídio de uma menina de 17 anos que sofria de depressão.

Nenhum comentário: