segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Pensamento do dia : Quando já é tarde demais para dizer "eu te amo".




 E toda nova manhã ele sobia até meu coração com um buquê e uma carta " Posso entrar?", com um sorriso ainda mais motivado do que no dia anterior e com novos versos decorados desses livros para melhorar a auto estima. Ele apenas era ele, mas do jeito que fosse, apenas me fazia sentir especial, e conseguia.
 Eu sorria tímida enquanto o ouvia tocar violão e cantar a música que eu o inspirei a compor. Eu dizia apenas que era linda, e me limitava ao resto, sem abraços, sem beijos. Eramos amigos e nada mais.
 Antes de dormir, rezando, pedia por ele sem que soubesse, pedia para esquecê-lo de alguma forma pois tinha medo de trocar nossa amizade por algo incerto, mas mal sabia eu que enquanto pedia para esquecer, mais me lembrava daquele sorriso bobo e aquele cabelo bagunçado. Eu me perdia em lembranças e me afogava em mim mesma, em meus próprios sentimentos, e perguntas , perguntas como, até quando não vou me permitir, até quando vou esconder isso e prender meu coração pra sempre?
 Era manhã, e como todas as minhas manhãs começam com lutas, essa não foi diferente, lutei com meus olhos para se abrirem, mas eles nunca me obedecem, até criarem vontade própria e se abrirem depois de uns cinco minutos... Mas, teve algo de diferente nessa manhã, ainda não haviam interrompido o sono profundo do meu coração, eu me sentia esquecida, esquecida como os contos de fadas e a felicidade verdadeira, mas de alguma forma eu sentia que ele iria chegar, que ele iria subir, que iria trazer ainda mais flores pela demora, que iria trazer um cartaz imenso, e dessa vez ele poderia entrar, poderia ficar pra sempre, porque eu finalmente estava pronta pra entregar a chave.
 O tempo se passou, e não havia mais como inventar que o tamanho do cartaz só iria aumentar de acordo com o tempo ou que iria trazer um urso ainda maior do que já me dera, isso só para enganar o que eu não queria ver, e a vida mostrou na minha cara, com efeito de um tapa, arrancando as minhas vendas dos olhos, e direcionando minha cabeça para ver que meu finalmente era tarde demais, e que todo mundo cansa de perguntar a mesma coisa, que todo mundo cansa de te banhar de rosas enquanto sangra os dedos nos espinhos. E como eu poderia imaginar que aquele que vinha todas as manhãs, também tinha alguém que ia até ele todos os dias, que lhe dizia que ele tem o sorriso mais lindo e que fica pensando nele todas as noites, alguém que lhe contou que tenta esquecê-lo mas é impossível, alguém mais sensata do que eu, ela, ela que agora divide seus beijos, que será musa de suas músicas e motivo dos seus sorrisos.
 E eu... eu continuo sozinha, com ferrugem na fechadura que guardo no peito e com feridas no resto que ainda sobra desse velho coração. Continuo com essa insegurança que me impede de arriscar, que me impede de falar tudo o que eu quero quando devo. Esse eu, que me segura de egoísmo e que machuca ainda mais a si mesmo, por não me permitir amar quem me ama, assim como eu o amava, e como sempre, só me libertar quando já é tarde demais para dizer "eu te amo".

2 comentários:

Anônimo disse...

show de bola rafa....
pode escrever poemas!!!!

Rafaela Gracelli disse...

Aww muito obrigada, mas acho textos mais fáceis, e até mais expressivos do quê poemas, eu escrevia poemas na infância, quem sabe algum dia eu escreva um ou outro só pra variar? ;)